Quanto cobrar para fazer um cartão de visita?

Se você está ingressando agora neste mercado provavelmente deve estar buscando uma direção para montar sua tabela de preços. E, se você já é um veterano do segmento, possivelmente está interessado em saber se o valor que está cobrando é o adequado. Certo?

Antes de tudo é importante ressaltar que existem médias de preços de acordo com a qualidade do seu trabalho e sua região. Porém, não há um valor fixo a ser cobrado pelos profissionais da área gráfica.

Tenha em mente que o valor de um produto pode variar simplesmente pelo fato de estar localizado no centro de uma cidade ou nos bairros mais distantes.

Um ponto determinante para conseguir definir o preço do seu serviço é mensurar a quantidade de horas que serão gastas no projeto. Alguns profissionais levam menos tempo que outros para confeccionar um bom cartão de visita. Tenha consciência do período que costuma gastar e caso você nunca tenha feito algo no segmento, faça projetos fictícios ou gratuitos para ter uma base.

Para os iniciantes: que tal produzir um belo cartão de visita para a ONG do seu bairro? Além de fazer um trabalho voluntário, você também conseguirá avaliar seu desempenho.

Lembre-se que você não deve ficar preso à sua tabela!

Alguns trabalhos podem ser mais simples que outros e, por isso, o valor pode variar de acordo com o pedido do seu cliente. Layouts mais elaborados tomarão mais seu tempo e os minimalistas, menos.

O site Designerd fez a pergunta “Quanto devo cobrar pelo meu serviço?” aos seus usuários e os preços variaram de acordo com o estado. Confira abaixo os valores respondidos para cartões de visitas em todo país:

Rio de Janeiro: R$ 240,00

São Paulo: R$ 230,00

Paraná: R$ 215,00

Santa Catarina e Rio Grande do Sul: R$ 180,00

Minas Gerais, DF, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul:

R$ 140,00

Norte e Nordeste: R$ 160,00

Os valores acima são apenas uma média dos cartões de visita de acordo com a região. Para conferir a pesquisa completa, clique aqui.

Caso o valor cobrado não funcione, faça testes até encontrar o modelo ideal. Não tenha medo de se arriscar! Confira todas as nossas opções de cartões de visita acessando: https://goo.gl/V7QcMj. São diversos tipos de papéis, gramaturas e cortes especiais.

Não deixe de compartilhar suas experiências nos comentários, ficaremos felizes em saber.

40 thoughts to “Quanto cobrar para fazer um cartão de visita?”

      1. Hoje a maioria das vendas ocorrem através do relacionamento com o cliente ( face to face) . Se você possui está expertise, garanto que preço será a última coisa a ser mencionado pelo cliente.
        Boas vendas!!

        1. Perfeito, quando você passa pro cliente total controle do que está vendendo ele se sente seguro no que procura e vai agregar mais valor ao nosso produto.

          1. Corrigido: É Alexandre, mas aí, cada caso é um caso. Mas na maioria dos casos o cliente não quer saber como é feito o cartão, pra se sentir seguro. O negócio é o preço, ver o material como é e tchau. Por mais que você explique como é o processo de produção de um determinado material gráfico da arte, a produção e finalização não adianta, poucos entenderão isto e agregarão valor. Mas a maioria só querem saber do preço se é o que quer pagar ou não, escolher o que deseja fazer, ver a prova da arte e pronto.

        2. É Alexandre mas aí, cada caso é um caso. Mas na maioria dos casos o cliente não saber como é feito o cartão, pra se sentir seguro. O negócio é o preço, ver o material como é e tchau. Por mais que você explique como é o processo de produção de um determinado material gráfico da arte, a produção e finalização não adianta, poucos entenderão isto. Mas a maioria só que saber do preço se é o que quer pagar, escolher o que deseja fazer, ver a prova da arte e pronto.

      2. Sou cliente da futura imbatível. Uma coisa q vcs poderiam parar de fazer era deixar os valores a mostra para todos. E parar de fazer arte de graça também. Nós revendedores perdemos muito com isso. Estou no rio de janeiro. Tijuca.

        1. Olá, Julio! Tudo bom? É importante ressaltar que nós somos uma gráfica para revendedores. Caso você tenha presenciado algum caso de cliente final em nossas lojas, por gentileza, entre em contato conosco pelos nossos canais de atendimento para que possamos verificar a situação. 😉

      3. E dá-lhe complicado viu, por mais que eu apresente qualidade, materiais já feitos, portfólios, etc… Sempre tem a chororô pra baixar mais do que já está bom. Mas não tem jeito, e sendo assim você escolhe, ou faz e fica no prejuízo ou perde a venda. E olhe lá porquê tem clientes exigentes que ficam no mexe aqui, mexe ali, melhora aqui, aumenta ali. Pode fazer outra prova? Não gostei dá pra colocar outra cor? Pois não vale apena cobrar bem menos do que o valor já considerado bom como R$50,00, R$60,00 ou R$70,00 nos cados dos cartões 4×0, 4×1 e 4×4 o valor já dá pra compensar pela arte. Se cobrar mais barato o clientes não querem pagar extras pelas alterações. Por exemplo você cobra R$45,00 no milheiro 4×0 ou 4×1 e R$5,00 ou R$10,00 reais a cada alteração quando mais trabalhada mas a maioria dos clientes não querem ficar pagando valores a mais e logo desistem da compra. Pois a gente gasta horas, energia e por aí vai. Ainda mais na situação atual que estamos. Mas quando há muitos pedidos compensa, mas quando não. Não compensa.

    1. Cristrian.
      Busque enriquecer sua apresentação do serviço. Descreva que um cartão 4/0 passa por um processo de produção de fotolito e chapa (muito embora hoje haja o CPT). Fale do processo CMYK e por tanto são 1 chapa para cada cor mais o verniz. E que a produção pode ser feita em impressoras off-set de uma cor, onde o processo passar o trabalho pela máquina 4 vezes ou em equipamentos mais modernos em uma passada são “aplicadas” as 4 cores e o verniz. Lógico que não podem ser textos muito longos se não ninguém lê e ao invés de atrair vc espanta. Mas na internet conteúdo sempre atrai a atenção. Sendo informação “curiosa” ou relevante então mais ainda. Lógico que sempre vai haver aqueles que querem mais o desconto que o produto. Para esses você pode tentar colocar uma margem mínima para manter esse cliente. Lembre que o cliente que te gerou R$ 10,00 de resultado hoje, ficando satisfeito, pode ser o que vai fechar 1000 pastas portifólio amanhã, ou outros impressos com ticket médio maior. E ele vai fechar com você porque quando ele estava procurando um cartão barato ele te encontrou. Agora ele quer a pasta portifólio e vai fazer com você que atendeu a ele. Atender o cliente nas suas necessidades sempre (que possível) é a melhor estratégia. Pois não queremos vender só hoje. Queremos amanhã, daqui a 10 anos, 20, 30… É formando uma carteira de clientes que conseguimos crescer de forma sustentável.

      1. Pois é Leandro, e assim ficamos meio perdidos em relação as vendas, principalmente quando surge concorrência desleal como surgiu aqui na minha região onde minha empresa era a única no seguimento, isso é porquê a minha é uma agência gráfica e digital. Aí todo cuidado é pouco, graças a Deus tenho clientes que gostam do meu trabalho e buscam qualidade, mas os recentes, querem preços e não estão querendo saber da qualidade. Explicar não adianta muito, só saímos perdendo tempo na maioria dos casos, mesmo que você apresente um trabalho superior ao da concorrência, mas o que vem na mente do novo cliente é o preço mais barato que o concorrente está cobrando. Aí fica difícil. Abraços.

    2. Concordo com vc Cristian ! Tb faço a mesma coisa e tem gente que quer de graça. >>> Uma ressalva, a postagem não explicou a qtde. para esse valor. pq se for por milheiro eles estão viajando no preço !!!!

      1. Infelizmente Renier (Studios Art) é o que mais acontece. Sempre tem um que pagar bem menos do quê o que podemos oferecer. Aí já não dá, as vezes é melhor perder a venda do quê aceitar, assim o cliente fica mal acostumado e sempre vai querer pagar o valor que você aceitou da última vez. Ou seja já é cliente perdido. Mesmo que você feche a venda, se o mês tiver fraco, já pode contar com o prejuízo. Não vale apena cortar valores. Só apenas quando pretendemos fazer promoções, a qual assim os clientes já ficam cientes.

  1. Não é nada difícil e tão pouco complicado, a quetão é impactar! isso mesmo não tenha medo de passar a idéia de que você é um profissional diferenciado e que realmente se importa com o resultado do trabalho que será desenvolvido, mas que não é um baratinho aqui nós não temos precinho o que temos é um profissional que veste a camisa do cliente e briga pelo sucesso do projeto, resultado, queremos resultado realizar o sonho do cliente de conquistar mais clientes ou simplesmente fidelizar os já consagrados. Para um feito assim temos que ser muito seguro da nossa posição demonstre ser conhecedor das artes, do mercado e é por ai mesmo…
    exemplo: já vendi para um cliente um sonho ( um lindo e criativo cartão de visitas por 600,00) claro que nem sempre é possível realizar sonhos por serem caros. Ubirajara da Gráfica Bira

    1. Bira, sua dica e muito boa, mas muito boa mesmo. Mas é como eu citei em um dos comentários. Cada cliente é um caso diferente. Tem os que agregam valores, querem qualidade e valorizam o profissional. E também tem os que querem pagar o que acham que devem pagar, pois estes não querem saber se você vai ter prejuízo ou não, se você vai gastar tempo ou não, se você tem despesa ou não, etc… Nem sempre nosso profissionalismo e esforço é valorizado, por mais que queremos o melhor pro cliente pra que possamos ter de retorno a valorização, o reconhecimento e principalmente o retorno do cliente sabendo que o(a) mesmo(a) ficou satisfeito(a) com o serviço prestado. Você que tem gráfica com certeza vai saber bem o que estou falando.

  2. Se eu cobrar os valores citados acima para são.paulo, que é onde moro eu vou passar fome, ngm compra não kkkk. Já fiz vários testes de preço. O que mais sai aqui é R$90.00 isso fala do do cartão simples frente e verso

  3. O que eu sinto é que o profissional que tem bagagem está perdendo muito campo para aqules que se aventuram. Cobrar está ficando algo bem complicado, pois o mercado “caseiro” não valoriza o profissional e sim apenas o valor. Vejo as pessoas que se aventuram fazer loucuras, um preço que não paga nem o frete. Acha que está ganhando com isso, na verdade está atrapalhando. Temos que consciência de valor de mercado antes de fazer o preço. Se todos pensarem da mesma forma, não vamos ficar brigando para ganhar 5,00 de lucro em 2.500 cartões de visita.

    1. Rapaz o interessante é que aqui na minha região, não tinha nenhuma gráfica além da minha empresa que é uma agência gráfica e digital. Divulguei meu trabalho, a diversos comerciantes, entreguei folhetos, passei de loja em loja. E no final da história, anos depois surgiu uma gráfica cobrando o milheiro por R$40,00 reais, fiquei chateado com isso, não gostei, nem outros profissionais que residem na região e próximo gostaram, pois chegaram quebrando, enquanto eu com minha empresa a primeira e antiga do mercado aqui na região “e outros profissionais” oferecemos a anos por R$60,00 o milheiro do mais barato já pra evitar cobranças adicionais em alterações quando solicitado evitando a perda da venda e dos clientes. Nos últimos meses, vieram clientes pra fazer cartões, inclusive novos, me perguntaram quanto eu cobro pra fazer o milheiro do mais barato, eu falei R$60,00 e em resposta recebi “Tá caro, ali em cima cobra R$40,00 o milheiro”. Ou seja o povo está preocupado com o preço e não com a qualidade. Mas uma coisa eu digo, me desculpem falar. Dá uma raiva na hora e eu logo respondo “Olha o negócio é o seguinte, eu lhe mostrei meus materiais e lhe apresentei meu trabalho, esclareci suas dúvidas e na hora do preço meu produto e mão de obra está caro? Bom, você não é obrigado fazer comigo, e tem total liberdade de escolher com quem deseja fazer seu material. Se quiser fazer com a outra que você falou que é mais barato pode ir fazer lá, mas se quiser fazer comigo será um prazer lhe prestar serviço e eu lhe garanto qualidade do trabalho”. Fora isso nem adianta explicar mais nada, pois já perdemos tempo por mostrar material, explicar, esclarecer dúvidas pra nada. Pois não há o que convencer o cliente pois aqueles R$40,00 sempre vai estar em mente. Aí fica difícil trabalhar na área.

      1. Detalhe sr, Cristian, por vezes explicamos qualidade, preço, custo benefício etc..Aí eles pegam esse pacote de informaç~çao e levam para outra gráfica. Já pegaram material meu com marca dagua e tiraram cópia off set. Horrível.

    1. Já o que estão fazendo. Queimando o mercado e eu com minha empresa sofremos com isso, depois que surgiu uma gráfica novata aqui, com um preço bem abaixo do meu e pra piorar estão usando um mesmo gráfico que uso no site da minha empresa, ou seja eu desconfio que sabiam da minha e fizeram pra cutucar. Mas se for o caso prefiro deixar quéto porquê quem tenta crescer com deslealdade com quem trabalha honestamente, cai sozinho.

  4. Interessante, aqui no vale do paraiba precisamente em S.J. dos Campos – SP acreditem ou não muitos concorrentes vendendo cartões a R$ 35 / 40 mole? Fica difícil trabalhar com esses valores… costumo pedir R$ 90,00 e consigo vendas para os clientes antigos mesmo que já trabalham comigo há mais de 5 anos…não questionam meus preços mas me perguntam como esses conseguem vender a R$ 35 / 40 o milheiro.
    Segue o jogo, minha qualidade supera os valores baixos aplicados pela concorrência.

    1. Pois e Luis Claudio Ferraz é o mesmo que faço, busco promover a qualidade do meu trabalho. Pois não faço um trabalho qualquer, minha ideia é sempre ajudar os clientes a ter retorno e crescer, valorizando assim sua comunicação visual e também o meu trabalho junto a minha empresa. Temos que valorizar se não valorizarmos ninguém valoriza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *