O que aprender com o robô que criou sua própria linguagem visual

Quem nunca sentiu medo ao pensar na possibilidade dos robôs dominarem o mundo fale agora ou cale-se para sempre. Com os avanças da tecnologia, tivemos casos de projetos que tiveram que ser encerrados por conta do rumo independente que as inteligências artificiais tomaram.

Casos como o ocorrido em 2016, no projeto experimental do Facebook, acabam assustando desenvolvedores e interessados sobre o tema. O programa, que tinha como foco trabalhar o negociações para com robôs, precisou ser interrompido após inteligências artificiais criarem uma linguagem, não compreendida por humanos, para se comunicarem.

Casos como este assustam, mas quando controladas, as IA podem agregar e muito à sociedade.

O mais recente projeto de Tom White, professor de design computacional na Universidade de Victoria, nos Estados Unidos, mostra que o processo de aprendizado de um cérebro cibernético é muito parecido com o do ser humano. Em seu experimento, a inteligência artificial foi ensinada a analisar e interpretar imagens para, assim, criar sua própria releitura.

Os desenhos feitos pela máquina são abstratos e seguem uma intrigante identidade visual própria. As obras criadas pela IA se transformaram na série: “The Treachery of ImageNet” – A Traição da ImageNet, em tradução livre. Veja abaixo algumas obras:

 

“Isso não é um carrinho de golf”

 

“Isso não é um ventilador elétrico”

 

“Em vez de usar o computador como ferramenta, o Drawing System (Sistema de Desenho) pode ser considerado uma ferramenta especial que a própria rede neural aciona para produzir suas próprias saídas criativas”, diz Tom White.

Redes neurais podem ser ótimas para perceber e identificar o que se tem nas imagens, mas são fracas em outros momentos. Uma irregularidade, mesmo que pequena, pode confundir a máquina ao ponto de não conseguir reconhecer a imagem como um todo. Porém, o projeto de White nos esclarecer como as inteligências artificiais são capazes de enxergar e reproduzir o que se foi entendido.

Se ficou curioso e quer ver o projeto completo do artista, clique aqui para ser direcionado ao site. Vale muito a pena conferir!

E aí, o que achou do texto de hoje? Deixe sua opinião nos comentários. 🙂

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *